Notícia

Carros tero selo que identifica o consumo


A presso do consumidor obrigar todas os fabricantes de veculos a
aderir ao Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular. A opinio de
organismos estatais e privados que participaram na ltima sexta-feira
do lanamento da Etiqueta Nacional de Conservao de Energia (Ence), na
sede da Federao das Indstrias do Estado de So Paulo (Fiesp).




A partir deste ms, o consumidor passar a ver afixado no vidro
traseiro esquerdo de alguns veculos novos um selinho que informar a
eficincia de consumo de combustvel. A etiqueta semelhante quela
que afixada em eletrodomsticos - conhecida de grande parte da
populao e que informa o consumo de energia eltrica de cada aparelho.




At agora cinco fabricantes - aderiram ao programa: Fiat, General
Motors, Honda, Volkswagen e Kia Motors. As quatro primeiras pertencem
Associao Nacional dos Fabricantes de Veculos Automotores (Anfavea),
que tem 15 fabricantes de veculos. A Kia pertence Associao
Brasileira dos Importadores de Veculos Automotores (Abeiva), que tem
cinco associados.





Cinco marcas




As cinco marcas que aderiram ao programa representam cerca de 50%
do mercado nacional. Elas disponibilizam, a partir deste ms, a
etiqueta em 31 modelos de cinco categorias - subcompacto, compacto,
mdio, grande e comercial.




A General Motors, por exemplo, ter o selo no Celta e Prisma. A
Fiat, Mille e o Linea; a Volkswagen entrou com o Polo, Gol e Voyage; a
Honda ter no Civic e Fit. A Kia aderiu com o Picanto.





Eficincia




De acordo com Henry Joseph Jr., engenheiro da Volkswagen e
representante da Anfavea no programa de etiquetagem, o assunto foi
discutido ao longo dos ltimos quatro anos entre fabricantes e
organismos estatais. Segundo ele, as normas aplicadas so
internacionalmente aceitas.




Em cada categoria o consumidor poder comparar a eficincia do
consumo entre vrios modelos. Com isso, ter mais um fator para decidir
a sua compra.




A etiqueta ter cinco classificaes ou notas - de A (a maior) a E,
veja o quadro. Cada modelo ter a sua graduao - que foi apurada em um
teste que avaliou o desempenho mdio do consumo na cidade e na estrada
de cada categoria. " uma ferramenta poderosa numa poca em que o
consumidor est muito mais atento a informaes", afirmou Joo Jornada,
presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Pesos e Medidas
(Inmetro). "A comparao ser feita com dados iguais, a partir de
normas internacionalmente aceitas."





Mercado vai regular




Para ele, o mercado forar o fabricante a aderir ao programa.
Jornada afirmou que o governo no vai tornar o programa compulsrio.
"Disso, o mercado se encarregar", acredita.




A adeso dos fabricantes e importadores ao programa renovvel a
cada ano - o que deve resultar numa competio pela eficincia.




Ao decidir participar, a montadora dever informar os dados do
consumo de combustvel e da eficincia energtica de modelos no manual
do proprietrio do veculo e nos pontos de venda.




Essas informaes tambm podero ser consultadas na etiqueta,
afixada opcionalmente pelos fabricantes nos vidros dos carros a partir
deste ms. Os dados ainda estaro disponveis na tabela publicada nos
sites do Inmetro (www.inmetro.gov.br).




A etiquetagem veicular incluir o Brasil na lista dos pases que
desenvolvem programas de eficincia energtica e de uso racional de
combustvel em veculos como Estados Unidos, Japo, Austrlia, China e
Unio Europia.




O representante no programa da Fiesp, Carlos Cavalcante, lembrou
que o Brasil utiliza 46% de energias renovveis em sua matriz
energtica. Os pases desenvolvidos, disse ele, consomem apenas 6% de
energia renovvel. "O programa gera competitividade", afirmou o
presidente da Fiesp, Paulo Skaf. "Ganha o consumidor, o Brasil e o
mundo."




O programa de etiquetagem uma iniciativa de rgos como os
ministrios de Meio Ambiente, Minas e Energia e Desenvolvimento,
Indstria e Comrcio Exterior, alm de envol-ver a Petrobras.




De acordo com Joo Jornada, a experincia mundial mostra que
programas deste tipo, voluntrios ou compulsrios, induzem a fabricao
de veculos mais eficientes, beneficiando o consumidor e o meio
ambiente.



Fonte: Gazeta Mercantil
Data: 20/04/2009