Notícia

A Petrobrs como motor da indstria


A deciso do governo de excluir a Petrobrs do compromisso de
contribuir para o supervit primrio tem a vantagem de permitir que a
empresa defina mais desembaraadamente o seu programa de investimentos.
O governo considera agora que a empresa, que tem o maior programa de
investimentos do Pas, deve dar prioridade a encomendas indstria
nacional e, deste modo, ajudar na luta contra a recesso.




De fato, trata-se da empresa nacional que deve apresentar o maior
lucro, em razo da queda nos preos do petrleo, e cujas necessidades
de investimentos so de dimenses muito superiores s de qualquer outra
empresa brasileira.




Essa poltica no deve ser confundida com a de substituio das
importaes, que, como mostraram vrias tentativas, malogrou e permitiu
indstria brasileira impor preos muito acima dos observados no
mercado internacional. O objetivo agora animar investidores
estrangeiros a se implantarem no Brasil, trazendo aporte tecnolgico,
know-how e capitais, atrados pelo vulto das encomendas da Petrobrs
por diversos anos.




A indstria nacional, estimulada tambm por essa perspectiva,
poder ela mesma adquirir tecnologia no exterior ou realizar joint
ventures, oferecendo preos competitivos. O papel da Petrobrs, nesse
caso, seria oferecer ou avalizar financiamentos que uma empresa privada
teria mais dificuldades para conseguir, enquanto a estatal, dado o seu
patrimnio presente e futuro, teria portas abertas.




Segundo a Petrobrs, a indstria nacional j oferece 65% do
contedo de equipamentos de que ela necessita. A experincia recente
comprovou, todavia, que os preos nem sempre so competitivos. Levando
em conta que a Petrobrs uma sociedade de capital aberto e que em
muitos campos tem scios, no pode aceitar pagar equipamentos a um
preo muito superior ao do mercado internacional, especialmente para
extrair um petrleo cujo custo j ser elevado.




Se levarmos em conta que a Petrobrs prev investimentos da ordem
de US$ 93 bilhes at 2013, parece que no ser difcil formar joint
ventures para oferecer, a um preo competitivo, equipamentos de ltima
gerao num momento em que a crise reduziu muito a produo na
indstria mundial.




O ideal seria haver muitas empresas concorrentes para se obter os
melhores preos, sabendo-se que as enormes necessidades da Petrobrs
garantem encomendas para todos.



Fonte: O Estado S. Paulo
Data: 20/04/2009