Notícia

Investimento privado em petrleo e gs ser menor


Os investimentos privados no setor de petrleo e gs no Brasil perdero
fora nos prximos anos, segundo dados do Instituto Brasileiro de
Petrleo, Gs e Biocombustveis (IBP). Do total de US$ 195,5 bilhes
que sero aplicados entre 2009 e 2013, US$ 34,5 bilhes ficaro a cargo
de empresas privadas, o equivalente a 17,6%. No planejamento anterior
do setor, que englobava o perodo 2008-2012, essa proporo era de 24%,
um total de US$ 30,6 bilhes.



Isso significa que a Petrobras
ter ainda mais fora no investimento no setor, em meio crise
econmica. A estatal prev US$ 161 bilhes em seus projetos no Brasil
nos prximos cinco anos, o que representa 82,4% do total.
Anteriormente, entre 2008 e 2012, a Petrobras estimava investimentos de
US$ 97,4 bilhes, o equivalente a 76% do total de US$ 128 bilhes.



volume.
O presidente do IBP, Joo Carlos de Luca, ressaltou que os
investimentos das empresas privadas no Brasil no vo cair em termos de
volume. Segundo ele, isso mostra que o Brasil est em rota contrria
tendncia que vem sendo observada em todo o mundo.



"Diante de um
cenrio de incertezas e cautela, a maioria das empresas ao redor do
mundo tirou o p do acelerador. No Brasil, acontece o contrrio, os
investimentos esto crescendo de forma significativa, principalmente
por causa da Petrobras", afirmou o executivo, depois de participar do
seminrio "Cenrios da economia brasileira e mundial", promovido pela
Fundao Getlio Vargas (FGV), no Rio.



De Luca detalhou que US$
40 bilhes sero aplicados em projetos no pr-sal. Neste caso, as
empresas privadas entraro com US$ 12 bilhes, o equivalente a 35% do
total que elas destinaro nos prximos cinco anos. No planejamento
anterior, as empresas privadas no contemplavam qualquer investimento
em projetos no pr-sal.



petrobras. A Petrobras ser
responsvel por US$ 28 bilhes dos projetos na recm-descoberta
fronteira exploratria. Isso representa 17,3% do total que a estatal
vai reservar para o pr-sal entre 2009 e 2013. Sobre o futuro das
regras do setor no Pas, De Luca disse esperar que o governo mantenha o
sistema de concesses via leiles promovidos pela Agncia Nacional do
Petrleo (ANP), com "pequenos ajustes".



"O governo tem sim que
tomar cuidado e buscar apropriar maior riqueza dessa nova rea que
representa o pr-sal. Mas temos que lembrar que no existe risco zero,
no d para dizer que toda a rea do pr-sal est toda cheia de
petrleo", observou.



Para ele, fundamental que o governo
defina logo se haver mudanas, para que as rodadas da ANP possam
voltar a contar com reas em mar. "Defendemos a volta das reas
offshore (em mar) nos leiles, to logo seja definido o pr-sal. A cada
ano que se atrasa, joga-se mais um ano para a frente em relao
definio dos investimentos a serem feitos. As empresas tm que repor
suas carteiras de projetos", comentou.



Fonte: Jornal do Commrcio - RJ
Data: 15/04/2009