Notícia

Apoio movido a lcool

Os usineiros j negociam, a um ano e seis meses das
eleies, apoio eventual candidatura da ministra-chefe da Casa Civil,
Dilma Rousseff, Presidncia da Repblica. Numa reunio na capital
paulista, h 10 dias, apresentaram o preo da adeso chapa da "me do
PAC": querem que o governo adote medidas para garantir a
competitividade do lcool, cujo preo est no nvel mais baixo desde
2004, segundo levantamento realizado pelo Centro de Estudos Avanados
em Economia Aplicada (Cepea) da Universidade de So Paulo (USP). A
sucesso de Lula foi includa no debate por iniciativa dos usineiros.



Estavam
presentes o presidente da Unio da Indstria da Cana-de-Acar (Unica),
Marcos Jank, cerca de 40 representantes do setor e a subchefe de
Articulao e Monitoramento da Casa Civil, Tereza Campelo. Os
anfitries do encontro mostraram preocupao com a possibilidade de o
governo reduzir o preo da gasolina, devido queda do valor do barril
de petrleo e notria disposio dos presidentes de afagar a classe
mdia em perodos pr-eleitorais. Primeiro, os usineiros perguntaram se
o governo estaria disposto a aumentar a tributao da gasolina para no
deixar seu preo cair muito, o que teria o impacto de um terremoto
entre os produtores de lcool.



Tereza respondeu que no. Disse
que subir impostos est fora de cogitao no Palcio do Planalto.
Diante da resposta, os usineiros apresentaram a fatura, propondo a
elevao da mistura de lcool na gasolina. Sugeriram que o percentual
salte de 25% para 30%. Tereza no se manifestou. Lembrou apenas que
Lula e Dilma so parceiros do setor e que o etanol uma bandeira
brasileira a tremular no cenrio internacional. Em meio discusso
tcnica, coube a Joo Pilon, conselheiro da Unica e dono da Usina Santa
Maria, ser mais incisivo.



Depois de afirmar que nunca um
presidente foi to bom quanto Lula para o setor sucroalcooleiro, Pilon
alertou Tereza para o fato de "2010 estar logo ali" e os usineiros
serem bastante influentes em seus municpios. O recado foi
testemunhado, entre outros, por Maurcio Biagi Filho, presidente da
Usina Moema e integrante do Conselho de Desenvolvimento Econmico e
Social, rgo vinculado Presidncia da Repblica.



Palocci.
No Centro-Sul do Pas, o setor sucroalcooleiro tem um Produto Interno
Bruto (PIB) estimado em cerca de US$ 20 bilhes e gera um milho de
empregos diretos. A maior parte da produo realizada em So Paulo,
governado por Jos Serra (PSDB), pr-candidato Presidncia. Em
conversas com auxiliares de Lula, usineiros alegam no ter boa relao
com Serra. Alm disso, entoam elogios ao ex-ministro da Fazenda Antonio
Palocci. Ex-prefeito de Ribeiro Preto, Palocci cotado para
representar o PT na sucesso paulista e comandar o palanque de Dilma no
estado.



Ministros e petistas veem com bons olhos as conversas em
curso, mas com uma pitada de ceticismo. "Eu no acredito que os
usineiros de So Paulo, em bloco, apoiem os nomes do PT", diz o lder
do partido na Cmara, Cndido Vaccarezza (SP). Um assessor presidencial
mais otimista. Em tom de brincadeira, ele lembra que nunca antes na
histria deste Pas o setor sucroalcooleiro teve um garoto propaganda
to bom quanto Lula.


Fonte: Jornal do Commrcio - RJ
Data: 14/04/2009