Notícia

Reajuste de combustveis divide empresrios

A defasagem dos preos da gasolina e do leo diesel no mercado
brasileiro em relao ao custo do petrleo praticado internacionalmente
gera a incerteza se um aumento dos combustveis ir ocorrer em breve no
Pas. A questo divide opinies. O presidente da Federao das Empresas
de Transportes de Cargas do Estado de So Paulo (Fetcesp) e da Seo II
Cargas da Confederao Nacional do Transporte (CNT), Flvio Benatti,
estima que no haver outra opo. J o presidente do Sindicato
Intermunicipal do Comrcio Varejista de Combustveis e Lubrificantes no
Rio Grande do Sul (Sulpetro), Ado Oliveira, projeta que o governo
federal procurar alguma alternativa para resolver a discrepncia.



Benatti admite que existe uma diferena de valores entre o petrleo e os
seus derivados e por isso no descarta o possvel incremento do preo
dos combustveis aps a disputa eleitoral. Porque, caso contrrio,
vamos acabar quebrando a Petrobras, sustenta o dirigente. Para Benatti,
a medida no foi tomada at agora por ser uma iniciativa impopular e o
Brasil est s vsperas de uma eleio, o que est represando a
situao. E isso um erro que j devia ter sido resolvido, critica.



O presidente da Fetcesp acrescenta que o aumento dos combustveis
impacta o ndice inflacionrio e, por consequncia, o desempenho do
governo. Mas, no esperem que isso (elevao dos combustveis) no ir
acontecer, porque com certeza acontecer, prev. O integrante da CNT
adianta que as empresas de logstica sofrero os reflexos e os custos
devero ser repassados.



O presidente do Sulpetro comenta que, conforme o governo, a defasagem
entre o petrleo e os combustveis gira em torno de 19%. Contudo,
acredito que o governo no tem intenes de subir (o preo da gasolina e
do diesel) no momento, porque quando isso ocorre, aumenta a inflao,
argumenta. O empresrio aposta que sero procuradas outras solues para
amenizar esse cenrio, sem alterar os valores dos combustveis, mesmo
estando defasados.



O dirigente ressalta que o Brasil ainda importa gasolina a preos mais
altos no exterior do que vendida no varejo interno. Isso gera um
dficit muito grande, salienta. Entretanto, o presidente do Sulpetro
no pensa que a elevao dos combustveis esteja atrelada s eleies.



Oliveira enfatiza que o revendedor no tem interesse em aumentos de
preos, pois os postos acabam apenas sendo repassadores do incremento e
h queda de vendas quando isso acontece. Os dois dirigentes 
participaram da 16 Feira e Congresso de Transporte e Logstica
Transposul, que se iniciou na tera-feira e ser encerrada hoje, no
Centro de Eventos da Fiergs, em Porto Alegre.


Fonte: Jornal do Comrcio/RS
Data: 18/07/2014