Notícia

GS NATURAL VEICULAR VAI SUBIR 6,5%

A  Agncia de Regulao de Pernambuco (Arpe) autorizou uma reduo no tamanho do aumento do gs natural veicular (GNV) e do gs natural comprimido (GNC) proposto pela Companhia Pernambucana de Gs Natural (Copergs). Nos clculos da companhia, com base no repasse feito pela Petrobras e na cesta de combustveis que pressiona o aumento, a alta seria de 11,25%. Mas a Copergs decidiu reduzir sua margem e propor uma alta menor, de 6,5%. Com isso, o preo na bomba dever subir em mdia R$ 0,07, passando de R$ 1,79 para R$ 1,86 o metro cbico. O reajuste comeou a valer desde ontem, com a publicao da autorizao da Arpe no Dirio Oficial do Estado.

O diretor tcnico e comercial da Copergs, Jalson Galvo, explica que a reduo no reajuste foi uma medida para minimizar a alta ao cliente do setor e evitar a diminuio nas vendas de GNV. O gs veicular j chegou a representar 20% das nossas vendas, mas caiu para 15% em funo de problemas como reajuste no preo, oferta e outras dificuldades, diz. Pernambuco tem uma frota de 41 mil veculos convertidos para usar GNV. As vendas do combustvel chegam a 170 mil m por dia.

O GNC, gs comprimido, transportado em caminhes para abastecer postos no interior, em municpios ainda no atendidos pela rede de gasodutos da Copergs.

O aumento para o GNC tambm ser de 6,5%. O preo do metro cbico dever passar de R$ 1,99 para R$ 2,06. Jalson Galvo alerta que mesmo com a alta, o gs veicular ainda mais competitivo na comparao com o lcool e a gasolina, em funo de ter um rendimento maior por quilmetro rodado.

Sem ICMS 
Alm da reduo no ndice de reajuste, os usurios de GNV tambm contam com outra medida para incentivar o uso do combustvel. Est em estudo na Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz) um projeto que prev a iseno da cobrana do Imposto sobre Circulao de Mercadorias e Servios (ICMS) sobre o GNV, o que poder reduzir em at R$ 0,20 o preo final do combustvel.

Diferente do GNV, o reajuste do gs para o setor industrial aconteceu em fevereiro. A Copergs decidiu aplicar o aumento mdio de 3,03% aprovado pela Arpe. O setor industrial o principal cliente da empresa, responsvel por 76% de todo o faturamento. A alta foi de 2,2% no valor cobrado pelo metro cbico. Cem indstrias do Estado foram atingidas. Para o segmento comercial, a elevao foi de 2,9%.

No setor residencial, o reajuste a ser aplicado seria de 5,87%, mas a Copergs tambm decidiu reavaliar. O segmento considerado estratgico nos planos de crescimento da companhia, que espera uma expanso de 40% na base de clientes.


Fonte: Jornal do Commercio/PE
Data: 19/03/2013