Notícia

USINAS TM MELHORES MARGENS OPERACIONAIS

Alguma recuperao na produtividade dos canaviais e maior nfase na produo de acar e etanol anidro (misturado gasolina), em detrimento do hidratado (usado diretamente nos tanques dos veculos), ajudaram a sustentar as margens das companhias sucroalcooleiras com aes na BM&FBovespa no terceiro trimestre desta safra 2012/13, encerrado em 31 de dezembro.

A maior receita com as vendas de eletricidade - cujos preos no mercado livre alcanaram patamares recordes nos ltimos meses - tambm pesaram positivamente sobre margens das empresas, principalmente nos casos de Razen Energia e Guarani, que esto melhor posicionadas nessa rea.

Lder do segmento, a Razen Energia, controlada por Cosan e Shell, registrou no terceiro trimestre um lucro antes de juros, impostos, depreciao e amortizao (Ebitda) de R$ 833,7 milhes, 66% maior que em igual intervalo da temporada anterior (2011/12). A margem Ebitda avanou trs pontos percentuais, para 32%, e ficou em 32,9% nos nove primeiros meses do exerccio, ante 28,8% no mesmo perodo do ciclo anterior.

Com investimentos na renovao de canaviais, a empresa elevou sua moagem de cana-de-acar em 6% na temporada atual e incrementou as produes de acar e etanol anidro em 4,9% e 21%, respectivamente. De forma geral, esses aumentos compensaram a queda das cotaes do acar. Apesar de seu preo mdio de venda da commodity ter sido 0,8% menor (R$ 1,026 mil por tonelada), a receita da Razen Energia com o produto subiu 41% no terceiro trimestre.

O faturamento com etanol subiu 26%, mas o maior salto no perodo veio da comercializao de energia gerada a partir do bagao da cana, que saiu de R$ 53 milhes para R$ 321 milhes na comparao entre os terceiros trimestres.

Neste ltimo trimestre da safra, que se encerrar em 31 de maro, a Razen Energia ter volumes maiores de etanol e acar para vender. No primeiro caso, devero ser 680 milhes de litros, ante 445 milhes no mesmo perodo de 2011/12; no segundo, 1,29 milho de toneladas, ante 871 mil disponveis em estoque ao fim do terceiro trimestre do ciclo passado.

No entanto, a empresa informou em seu balano que o quarto trimestre da safra deve trazer preos mdios 7,2% menores para o acar (R$ 693 por tonelada) e 5,7% inferiores para o etanol (R$ 1,128 mil por metro cbico).

Como j indicavam analistas, o "mergulho" das cotaes do acar tende a pressionar as margens das usinas, que tendem a tentar maximizar a fabricao de biocombustvel no prximo ciclo. Para 2013/14, a Razen Energia, informou ter, em 31 de dezembro, 750 mil toneladas de acar com hedge ao preo mdio de 21,95 centavos de dlar por libra-peso - ante 22,57 centavos de dlar por libra-peso da safra 2012/13. Quase metade desse volume para 2013/14 (381 mil toneladas) tinha hedge cambial a R$ 2,1654.

A So Martinho, por sua vez, confiou na ampliao de sua produo de anidro para sustentar as margens no terceiro trimestre da safra. Apesar do preo mdio 3,8% menor em relao a igual intervalo do ciclo anterior, a receita da companhia com anidro no trimestre cresceu 47,9% em decorrncia de um aumento de 53,7% no volume comercializado.

Assim, mesmo com um volume vendido de acar 12% menor no trimestre, a companhia conseguiu, com as maiores vendas do biocombustvel, um Ebitda ajustado 4,4% maior, de R$ 161 milhes, e uma margem Ebitda 0,2 ponto percentual mais elevada, de 40,8%. No acumulado dos nove meses da safra, a So Martinho sustentou a margem em 40,9%, uma queda de 1,1 ponto percentual em relao ao realizado em igual intervalo da safra anterior.

Como optou por vender um volume menor de acar no terceiro trimestre, justamente para captar melhores preos no trimestre seguinte, a empresa, que ontem teve um investimento de R$ 48,2 milhes em sua unidade de Pradpolis (SP) aprovado pelo seu conselho de administrao, espera apresentar resultados mais expressivos nos ltimos trs meses da atual temporada.

Ainda resta empresa vender 270 mil toneladas da commodity, 97,2% mais que em igual perodo de 2011/12. Esse volume est com preo mdio de 21,75 centavos de dlar por libra-peso e com dlar fixado a R$ 2. Esses valores esto mais elevados que a mdia da safra 2012/13 - preo de 21,50 centavos de dlar por libra-peso ao cmbio de R$ 1,85.

J a Guarani, controlada pela Tereos Internacional, registrou uma margem Ebitda de 34,6% no terceiro trimestre desta safra, percentual que, assim como suas concorrentes, considera os tratos culturais aplicado na cana como investimento, e no custo. O desempenho, de acordo com a empresa, est relacionado ao menor custo caixa, resultado do crescimento da moagem de cana (11%) e do aumento das margens de venda de energia eltrica.

As receitas com a venda e eletricidade alcanaram R$ 26,7 milhes no trimestre, um aumento de 162% em relao ao mesmo perodo da safra passada. Com isso, a venda de energia passou a representar 4,6% do total das receitas do trimestre, ante fatia de 1,7% no mesmo intervalo do ciclo 2011/12.

A Guarani vendeu no trimestre 148 gigawatts/hora, 65,4% acima do comercializado um ano antes. Por conta dos preos recordes da energia no mercado vista nos ltimos meses, o preo mdio do megawatt/hora foi de R$ 180,3, 58,7% mais que no mesmo trimestre do exerccio passado.

Em contrapartida, com acar a Guarani registrou no trimestre preos mdios 8% menores (em base anual), de R$ 971,5 por tonelada. Em etanol, os preos mdios alcanados pela companhia diminuram 14,1%, para R$ 1,074 mil o metro cbico.


Fonte: Valor Econmico - Fabiana Batista
Data: 19/02/2013