Notícia

O novo "BOOM" do petrleo e do gs no Amazonas

Uma nova corrida do petrleo est em curso na Amaznia brasileira. Vinte e cinco anos depois da descoberta da provncia petrolfera de Urucu, na Bacia do Solimes, municpio de Coari (a 363 quilmetros de Manaus), empresas privadas brasileiras e estrangeiras voltam seus investimentos para a regio. Somente no Amazonas, este mercado dever receber investimentos bilionrios nos prximos trs anos. A expectativa de que pelo menos oito mil novos empregos sejam criados at l. E ao contrrio do que ocorreu no passado, quando a Petrobras desbravava esse mercado sozinha, agora, ela tem concorrentes.


Em jogo, est um mercado considerado estratgico pelo governo brasileiro. De acordo com a Agncia Nacional de Petrleo (ANP), o Amazonas, nico estado a produzir gs e petrleo na Amaznia brasileira, tem reservas totais de 187,5 milhes de barris de petrleo e 89,7 bilhes de metros cbicos de gs natural distribudas nas Bacias Sedimentares do Solimes e do Amazonas. Apesar da altssima qualidade do petrleo encontrado em Urucu, so as reservas de gs que fazem da regio um mercado to importante. O Brasil ainda importa boa parte do gs natural consumido no pas da Bolvia e, hoje, o Amazonas responde por 18% de toda a produo nacional.


A Petrobras a empresa com mais tempo de atuao na Amaznia brasileira. Com pesquisas que comearam ainda nos anos 50, a estatal iniciou a explorao comercial de petrleo e gs em 1988, na regio do rio Urucu. Hoje, a estatal produz 56,5 mil barris de petrleo por dia e 9,7 milhes de metros cbicos de gs natural dirios dos poos que ela mantm no municpio de Coari. Desde 2005, retomou perfuraes em regies prximas s reservas de Urucu e, no ano passado, descobriu poos de petrleo altamente rentveis.


No entanto, pelo menos duas empresas privadas esto entrando agressivamente nesse mercado e a principal delas tem capital estrangeiro, mas brasileira por nascimento: HRT Oil & Gas. A companhia operadora de 21 blocos localizados na Bacia Sedimentar do Solimes. Atualmente, a petrolfera vem prospectando em reas nos municpios de Carauari, Tef e Coari. No ano passado, a empresa vendeu 45% de suas operaes na Amaznia para a anglo-russa TNK-BP, resultado de uma joint venture entre a TNK (Rssia) e a British Petroleum (Reino Unido), que prometeu injetar US$ 1 bilho na empreitada.


Alm da HRT, a Petrogal Brasil tambm vem atuando no Amazonas. Ela uma subsidiria da companhia de energia portuguesa Galp. A Petrogal tem a concesso de dois blocos em parceria com a Petrobras e vem fazendo pesquisas na Bacia Sedimentar do Amazonas, entre os municpios de Rio Preto da Eva, Itapiranga e Silves.


Investimentos

Segundo o especialista Walter De Vitto, da Tendncias Consultoria, o mercado de gs e petrleo no Amazonas vai continuar aquecido nos prximos anos. O preo do barril de petrleo est em alta no mercado internacional e isso tende a encorajar as empresas a se lanar nessa empreitada. Observamos que como o foco da Petrobras, que o principal ator desse mercado, vai estar voltado para os investimentos na camada do pr-sal, empresas menores, como a HRT, podero encontrar boas oportunidades de negcio na regio, afirma De Vitto.


Polo

Para o economista e secretrio de Estado da Fazenda, Isper Abrahim, o aquecimento do mercado dever continuar pelos prximos anos e ele j vislumbra a criao de um novo polo econmico que poder ser to importante para o Amazonas quando hoje o Polo Industrial de Manaus (PIM): o gs-qumico. No curto prazo, ns teremos todos os insumos para implantarmos um polo gs-qumico importante no Estado. Teremos o gs natural, energia eltrica vinda do linho de Tucuru e a silvinita. Poderemos entrar fortes no mercado de fertilizantes, onde o Brasil ainda um dos maiores importadores desse tipo de produto, afirma Abrahim.


Walter De Vitto, da Tendncias Consultoria, diz que at mesmo pelas dimenses das reservas encontradas no pr-sal, ser normal que os investimentos na explorao na costa brasileira sejam maiores que os destinados para a Amaznia, mas ele ressalta que os montantes previstos so considerveis. Estamos falando de um mercado de bilhes de dlares em busca de uma matria prima que o mundo todo est procurando. As perspectivas so extremamentes positivas, ainda que este seja um mercado altamente desafiador, afirma De Vitto.


O consultor diz ainda que as empresas do setor esto atentas s sinalizaes do governo brasileiro, que havia prometido, no ano passado, realizar um leilo de novos blocos exploratrios nas regies Norte e Nordeste. Calcula-se que sero licitados algo em torno de 174 blocos nas duas regies. Os leiles so fundamentais para medir a temperatura do mercado. Acreditamos que um novo leilo dever ser feito ainda neste ano e que o interesse das empresas ficar evidente nas ofertas que elas faro, afirma De Vitto.



Fonte: A Crtica/AM - Leandro Prazeres
Data: 20/03/2012