Notícia

Gs perde flego no novo oramento da Petrobras





Em meio expectativa por mudanas em seu alto-comando, a Petrobras est
promovendo seu ajuste oramentrio. Com o objetivo de captar recursos e
compensar parte da navalhada em seu programa de investimentos para 2011-2015, a
estatal vai reduzir sua exposure em algumas operaes. No por acaso, o
epicentro deste processo a diretoria de energia e gs, nos mos de Maria das
Graas Foster, "Dilmete" de carteirinha e nome cotado para assumir a presidncia
da estatal em substituio a Jos Sergio Gabrielli. A companhia vai diminuir
suas participaes acionrias em distribuidoras estaduais, quase todas mantidas
por intermdio da subsidiria Gaspetro. A empresa est no capital de 18 das 24
concessionrias do pas.



A poltica de extenso dos tentculos no setor adotada nos ltimos 10
anos continua sendo vista como estratgica pela estatal, sobretudo para
assegurar mercado para o gs produzido pela prpria companhia. No entanto, a
direo da Petrobras entende que possvel abrir mo de alguns anis e, ainda
assim, manter uma posio hegemnica no segmento, sem prejudicar a venda do
produto. Alm da soma amealhada diretamente com a negociao de uma parcela das
suas aes nas distribuidoras estaduais, a companhia calcula que ainda poder
alcanar uma economia superior a R$ 1 bilho em decorrncia da reduo de
aportes nestas empresas.



Nos ltimos dois meses, a diretoria de energia e gs mapeou os ativos nos
quais a estatal dever reduzir sua fatia societria. A primeira da lista a Gas
Brasiliano, recmcomprada pela Petrobras. A companhia adquiriu 100% das aes da
distribuidora paulista, mas no tem interesse em permanecer solitria no
capital. A SCGs, de Santa Catarina, a Sergs, de Sergipe, e a Copergs, do
Paran, tambm vo entrar nesta roleta. Em todas elas, a Petrobras tem uma
participao de aproximadamente 41%. A estatal j teria oferecido parte de suas
aes para a Mitsui, scia das trs distribuidoras por meio da Gaspart. No
entanto, o mais provvel que ocorra uma operao triangular. A trading
japonesa est tentando atrair a conterrnea Sumitomo para o capital destas
empresas, com a aquisio de um naco das aes em poder da Petrobras. Outro caso
em que a estatal tem uma exposio considerada excessiva o da Potigs (RN), da
qual controla 83%. Na contramo, algumas das participaes so tratadas na
Petrobras como algo quase cannico e, portanto, imutvel. Os dois maiores
exemplos so as fatias na Ceg (25,3%) e na Ceg Rio (33,75%), que esto entre as
cinco maiores distribuidoras de gs do pas.



Tudo muito bom, tudo muito bem, mas, para levar o projeto adiante, o
presidente da Petrobras, seja Jos Sergio Gabrielli, seja Maria das Graas
Foster, ter de contornar algumas balizas polticas em seu caminho. o caso da
Bahia. Na mo contrria dos planos da estatal, o governador petista Jacques
Wagner tem feito forte presso para que a companhia aumente seus investimentos
na BahiaGs, da qual detm 24,5%. Cobrana semelhante vem do Sul. Outro petista
histrico, Tarso Genro tambm tem se movimentado em Braslia no apenas para
evitar qualquer tentativa da Petrobras de reduzir sua participao na Sulgs,
mas tambm para arrancar do governo federal a garantia de novos aportes na
concessionria.



Fonte: Jornal Relatrio Reservado
Data: 20/07/2011