Notícia

Montadoras recuperam, depois de 20 anos, o nmero de empregados

Foram necessrios 20 anos para a indstria automobilstica
brasileira recuperar o nvel de emprego e chegar a este ms com 135,3
mil funcionrios diretos. Nesse perodo, o Brasil ganhou 11 novas
fbricas e assistiu a uma revoluo no mtodo produtivo, com vrias de
suas atividades repassadas a terceiros e linhas de montagem com mais
funcionrios indiretos do que diretos.



Na fbrica de caminhes da Volkswagen/MAN em Resende (Rio de
Janeiro), apenas 894 trabalhadores so registrados pela montadora e 5
mil so contratados de sete fornecedores de autopeas que atuam no
chamado sistema modular de produo.




Em janeiro de 1991, as montadoras empregavam 136 mil pessoas. Ao
fim daquele ano, eram 124,8 mil e uma produo de 960,2 mil veculos.
Neste ano, at outubro, j foram fabricadas 3 milhes de unidades. O
nmero de empregados diretos seria maior no fossem as importaes, que
este ano devem passar de 600 mil unidades, reclama o presidente do
Sindicato dos Metalrgicos do ABC, Srgio Nobre.




Empregos. O volume equivale a uma fbrica grande, afirma Nobre.
Segundo clculos feitos pelo Departamento Intersindical de Estatstica
e Estudos Socioeconmicos (Dieese), se essa frota fosse produzida
localmente, seriam gerados mais de 15 mil empregos diretos nas
montadoras e 75 mil indiretos em toda a cadeia produtiva. Estamos
gerando empregos em outros pases, diz o presidente da Associao
Nacional dos Fabricantes de Veculos Automotores (Anfavea), Cledorvino
Belini.




Cerca de 65% das importaes so feitas pelas prprias montadoras,
que trazem veculos de luxo das matrizes e modelos complementares da
Argentina e do Mxico. Belini costuma justificar que o Brasil tem
acordo comercial com esses dois pases e tambm exporta para l. A
contrapartida no existe com veculos trazidos da sia, movimento que
mais cresce atualmente.




Nobre defende uma poltica industrial que privilegie a produo
local. Para a montadora, tanto faz produzir aqui ou trazer  da matriz,
mas o Pas precisa pensar no seu futuro e fazer aqui produtos de alta
tecnologia, em vez de trazer caixas de fora com componentes que apenas
so montados aqui, argumenta.




O Brasil o sexto maior fabricante e o quarto maior mercado
consumidor de automveis. N dcada de 90, cada trabalhador produzia em
mdia oito carros por ano. Hoje, so 29, segundo dados do Sindicato dos
Metalrgicos do ABC. O emprego na montadora um dos mais cobiados,
pois a mdia salarial maior do que em outras reas.




Terceirizao. Jos Pastore, professor de relaes do trabalho da
FEA-USP, ressalta que so empregos de altssima qualidade, salrio
bom, alta qualificao, estabilidade e chances de fazer carreira.
Ressalta, porm, que o processo de terceirizao e avano tecnolgico
ocorre em todos os setores e no mundo todo.




Belini lembra que, levando-se em conta a mudana no processo
industrial nos ltimos anos, a gerao de empregos no setor mais
significativa. Um exemplo da prpria Fiat, empresa que ele preside, a
instalao, nos arredores da fbrica em Betim (MG), de cerca de 30
fabricantes de autopeas que realizam atividades antes feitas
internamente.




O executivo cita a montagem dos bancos. Antes, recebamos a
carcaa, colocvamos espuma e capa; hoje, os bancos chegam prontos e
entram na fbrica na sequncia da linha de montagem. A Fiat chegou a
empregar 25 mil funcionrios. Hoje so 15 mil diretos e mais de 8 mil
indiretos, que frequentam a fbrica diariamente em funes de
logstica, manuteno e limpeza.




Modelo mais ousado de produo foi introduzido no Brasil em 1996,
com a inaugurao da fbrica modular da Volkswagen Caminhes, hoje MAN.
Variaes desse processo foram adotados pela GM em Gravata (RS) e pela
Ford em Camaari (BA).




A Anfavea calcula que montadoras, fornecedores (incluindo de
matrias-primas como ao) e concessionrios empregam, juntos, perto de
1,5 milho de pessoas. Incluindo toda a cadeia, que passa por setores
como postos de combustvel, companhias de seguro, financiadoras etc, o
nmero pode chegar a 5 milhes.




A indstria de autopeas no foi a herdeira direta de muitos postos
transferidos das montadoras, que tambm eliminaram funes como uso da
alta tecnologia e de robs. O setor empregava 255,6 mil pessoas h 20
anos e hoje tem um quadro com quase 220 mil. O auge do emprego nas
autopeas ocorreu em 1989, com 310 mil funcionrios.




Paulo Butori, presidente do Sindicato Nacional da Indstria de
Componentes para Veculos Automotores (Sindipeas), cita a sofisticao
dos processos produtivos e as importaes como justificativas. Hoje
temos uma indstria muito mais moderna e mais produtiva, A produo de
veculos em 20 anos cresceu quase quatro vezes, enquanto a mo de obra
nas autopeas caiu 14%.



Fonte: O Estado de S. Paulo
Data: 17/11/2010